/A Pastoral da saúde nas entidades Camilianas

Coordenação da Pastoral da Saúde


Formação de Equipe - Formar uma equipe de Agentes de Pastoral da Saúde composta por voluntários religiosos e ministros da eucaristia. Vínculos – Estabelecer vínculos com os profissionais da saúde que atuam no hospital ou fora dele para que possam contribuir com palestras informativas para os Agentes de Pastoral da Saúde e visitadores de doentes em casa ou domicílio. Neste processo, o coordenador poderá contar com o acompanhamento do ICAPS e também conhecer algum hospital da Rede São Camilo onde a Pastoral da Saúde já esteja implantada. A coordenação da Pastoral da Saúde dentro do hospital poderá ser exercida por um colaborador que já faça parte do quadro dos funcionários no hospital. Porém, pode-se contratar alguém da comunidade. A função principal do coordenador é fazer a ligação entre o hospital e a comunidade. Além disso, ele será o responsável pelas atividades religiosas que serão desenvolvidas diariamente pelos voluntários (Agentes de Pastoral da Saúde e Assistentes Espirituais) dentro do hospital.

Logo que assumir a função, o coordenador, juntamente com o administrar do hospital, deverão entrar em contato com o bispo, se houver, com as paróquias e padres da cidade a fim de saber o que já existe de trabalho pastoral. Por isso, é importante também conhecer o coordenador local e/ou diocesano a fim de estabelecer parceria entre o hospital e a comunidade. Ou seja, formar um grupo de Agentes de Pastoral da Saúde (voluntários) com as pessoas que já fazem pastoral hospitalar ou domiciliar.

Critérios para a escolha do coordenador:

  • Ser Católico Apostólico Romano;
  • Possuir alguma formação bíblico teológica;
  • Formação de nível superior (se possível);
  • Disponibilidade de tempo;
  • Capacidade de liderança;
  • Capacidade de comunicação, bom relacionamento e trabalho de equipe;
  • Que tenha algum envolvimento com a Igreja Católica (paróquias).

Atividades do Coordenador

  • Engajar profissionais e servidores no processo de humanização e evangelização do ambiente hospitalar;
  • Preparar as pessoas que visitam os doentes no hospital com palestras e treinamento;
  • Dialogar com diferentes tradições religiosas num espírito ecumênico;
  • Preparar a missa de São Camilo no dia 14 de julho, se possível, na Paróquia central da cidade ou da jurisdição do hospital; evento dentro do hospital para difundir os valores camilianos e a biografia de São Camilo (folhetos e vídeo para recepção, por exemplo);
  • Programar celebração de datas significativas na comunidade e no hospital;
  • Sensibilizar e integrar a comunidade com o hospital, uma vez que este faz parte da mesma;
  • Proporcionar assistência psico-espiritual aos enfermos internados.
  • Acompanhar os Agentes de Pastoral;
  • Avaliar a caminhada da pastoral;
  • Participar dos encontros em âmbito regional e/ou interestadual;
  • Informar a administração sobre a pastoral: Desafios, avanços, e projetos, etc.
  • Participar das Comissões (eventos, humanização e interdisciplinar)
  • Participar do Encontro Nacional da Pastoral da Saúde e outros promovidos pelo ICAPS.

Cadastramento dos Agentes

  • O interessado em integrar a Equipe Voluntária de Assistentes Religiosos deverá preencher requerimento endereçado ao Coordenador (a) da Pastoral da Saúde;
  • O mesmo deverá ainda:

 a. Apresentar carta do seu líder religioso;
 b. Submeter-se a entrevista com o Coordenador;
 c. Formalizar e encaminhar à Divisão de Recursos Humanos o Termo de Adesão, disciplinada pela Lei Federal nº 9.608/98. Se aprovado, assinar o termo do voluntariado que segue as normas federais;
 d. Cumpridas todas essas exigências, o Agente de Pastoral deve assinar o termo de responsabilidade e receber o crachá.

Responsabilidades do Agente de Pastoral

  • Cumprir as deliberações do hospital;
  • Oferecer solidariedade, conforto humano e espiritual, respeitando a individualidade e as crenças religiosas de cada um;
  • Servir de apoio aos familiares de pacientes em situações críticas e de sofrimento;
  • Desenvolver ações de ajuda espiritual, fazendo com que os profissionais da saúde, independentemente de seu credo religioso, reconheçam os valores espirituais do paciente;
  • Promover e participar de celebrações religiosas para e com os pacientes, familiares e servidores do hospital, desde que solicitado;
  • Assessorar os profissionais da equipe multidisciplinar na solução de casos em que, de algum modo, estejam implicadas questões religiosas, espirituais e sociais.